13/02/2019 às 19h30min - Atualizada em 13/02/2019 às 19h30min

Faturamento do setor de alimentos aumentou 2,08% no ano passado

O faturamento do setor de alimentos brasileiro cresceu 2,08% em 2018, ao atingir R$ 656 bilhões, somadas as exportações e as vendas para o mercado interno. Os dados foram divulgados hoje (13) pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia), na capital paulista.

EBC
Sucos estão entre os itens que mais se destacaram em vendas reais (Foto:Tânia Rêgo/Arquivo/Agência Brasil)

O setor gerou no ano passado 13 mil postos de trabalho. Segundo a Abia, o total de investimentos em ativos e fusões e aquisições alcançou R$ 21,4 bilhões, com aumento de 13,4% em relação aos R$ 18,9 bilhões registrados em 2017.

“O setor de alimentos é o maior empregador dentro da indústria brasileira. Qualquer crescimento na indústria de alimentos é bastante significativo e a qualidade do emprego gerado é muito importante. Ano passado, houve aumento de 0,21% dos salários dentro da indústria da alimentação”, disse o presidente executivo da associação, João Dornellas. 

Os setores que mais se destacaram em vendas reais foram óleos e gorduras (12%), conservas de vegetais, frutas e sucos (11,2%), desidratados e supergelados (5,3%), bebidas (4,3%) e proteína animal (4,1%). Quanto ao faturamento, o destaque foi para óleos e gorduras (13,5%), conservas de vegetais, frutas e sucos (12,8%), bebidas (5,8%), proteína animal (5,6%) e desidratados e supergelados (6,8%).

Exportações

De acordo com o balanço da Abia, no ano passado, as exportações caíram 9,8%, fechando com US$ 35,1 bilhões de alimentos industrializados contra US$ 38,9 bilhões registrados em 2017.

O setor exportou para 180 países, o que representou 19,3% do volume total de vendas. A China, que é o maior importador de alimentos do Brasil, comprou no ano passado 37,6% a mais do que em 2017. As vendas para a Holanda aumentaram 4% e, para os Estados Unidos, 3%.

Previsões

De acordo com a Abia, as previsões para 2019 são de aumento de 2,5% a 3% da produção física (volume), de 3% a 4% das vendas reais e de cerca de US$ 40 bilhões nas exportações. Como consequência da expectativa positiva, empregos (diretos e formais) podem crescer entre 2% e 3%.

“Com a previsão de implementação das reformas previdenciária e tributária, que resultem em maior estímulo ao empreendedorismo e à produtividade, a expectativa é de recuperação em todos os setores da economia”, diz a Abia.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Emprego no Brasil