18/04/2017 às 19h35min - Atualizada em 18/04/2017 às 19h35min

Falta de alimentos e remédios força venezuelanos a ir a Roraima, diz ONG

FolhaPress

Falta de alimentos e remédios força venezuelanos a ir a Roraima, diz ONG (Foto: Divulgação)

 

A falta de comida e de atendimento médico são os principais motivos pelos quais milhares de venezuelanos migraram para Roraima no último ano, mostra relatório divulgado nesta terça-feira (18) pela ONG Human Rights Watch.

O Estado recebeu mais de 7.000 cidadãos do país caribenho nos primeiros 11 meses de 2016, em sua maioria pessoas de classe baixa e média. A chegada dos imigrantes pressionou os sistemas de saúde e de assistência social locais.

Para a organização, a migração em massa para os países vizinhos é um dos motivos para que "os governos da América Latina devem aplicar uma forte pressão" sobre o governo de Nicolás Maduro para solucionar a crise humanitária.

"Colocar a Venezuela no topo das prioridades da política externa é fundamental para responder a um problema que já está causando impacto fora das fronteiras do país", disse José Miguel Vivanco, diretor do órgão para as Américas.

"O Brasil está tendo dificuldades para atender às necessidades urgentes dos venezuelanos, vítimas de uma crise humanitária pela qual a administração de Maduro é amplamente responsável".

No documento, a entidade diz que a maioria dos pacientes venezuelanos chega aos hospitais roraimenses em estado mais grave que os brasileiros por não receberem o tratamento adequado devido à escassez de remédios e insumos.

A falta de medicamentos prejudica principalmente pessoas com complicações da Aids e de doenças como tuberculose, pneumonia e malária -77% das pessoas com a última atendidas em Roraima são venezuelanos.

Outros chegam ao Brasil em busca de dinheiro para enviar remédio a familiares. Entrevistada pela ONG, Geraldine Dhil, 32, foi encontrada andando a pé no trecho da BR-174 entre cidade fronteiriça de Pacaraima e Boa Vista.

Ela seguia para a capital roraimense para trabalhar e pagar pelos remédios da filha, que tem câncer. Outro caso citado foi de uma grávida de Santa Elena de Uairén, ao lado de Pacaraima, em estado grave que foi levada em um carro comum à capital.

O relatório foi feito com entrevistas a quase 100 pessoas, incluindo autoridades e profissionais de saúde. Mais de 60 venezuelanos foram ouvidos, oriundos de nove Estados do país e da capital Caracas, a 1.335 km da fronteira.

SUBNUTRIÇÃO

Os efeitos da escassez de alimentos na Venezuela foram detectados nos abrigos de imigrantes. A maioria dos atendidos pelos espaços chegavam com subnutrição, um deles o de uma menina de dois anos que pesava 7 kg.

Os abrigados são em grande parte membros da comunidade indígena warao, que em dezembro quase foram alvo de uma deportação em massa. A ação, feita pela Polícia Federal em Boa Vista, foi impedida pela Justiça Federal.

Entrevistados pela organização dizem que dormiam nas ruas quando os agentes chegaram e os colocaram à força em um ônibus. Nos termos de deportação à que tiveram teve acesso os índios apareciam como analfabetos.

A suposta incapacidade de ler e escrever era o motivo apresentado para não exigir a assinatura deles. Outro sinal de irregularidade foi que os documentos foram assinados pelo mesmo policial e as mesmas duas testemunhas.

Os venezuelanos sobrevivem em Roraima com trabalhos informais, como o comércio ambulante, carga e descarga de caminhões e a prostituição. Devido à baixa capacidade dos abrigos, alguns deles dormem nas ruas. Alguns pedem esmolas e procuram comida no lixo.

Apesar da situação precária e das dificuldades migratórias, a maioria dos entrevistados prefere ficar em Roraima. Em março, após pedido da OEA, o governo brasileiro liberou a residência automática de dois anos aos venezuelanos.

O processo, no entanto, custa R$ 372,90. Inicialmente, os imigrantes recorreram ao pedido de refúgio para se regularizar, mas nem todos estariam aptos e os processos correm lentamente na sede da PF em Boa Vista.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »